Wikipédia Quem Somos Mulher 500 Publicações Parceiros Links Home Contato Home
  Nesta seção além de obter informações sobre as temáticas relacionadas ao papel da mulher na história do Brasil, você pode também nos ajudar a construir de maneira participativa e democrática o Dicionário Mulheres do Brasil - Volume II, através desta ferramenta.  
COLABORE
Login:
   
Senha:
   
Cadastre-se aqui
  Esqueci minha senha
 
Mini-biografias contidas no "Dicionário Mulheres do Brasil Volume I (publicado) e Volume II (a publicar).
 
Busca Alfabética
| A-C | D-G | H-L | M-P | Q-Z |
Busca Avançada
Nome:
Século:  
Estado:  
Etnia/Cor:  
Atividade:  
Palavra-chave  
Volume:   I II (Wiki)
 
  Guia de referência bibliográfica com a temática de gênero, etnico-raciais e direitos humanos.  
Busca
Palavra-chave:
   
Artigos, Dissertações e Teses.
Busca
Palavra-chave:
Tipos:
Nesta seção estamos disponibilizando cartazes produzidos pelo Movimento Feminista, Movimento de Mulheres, Ong's e Instituições públicas; que tratam de temáticas relacionadas a defesa dos Direitos Humanos das Mulheres.
Busca
Palavra-chave:
Categoria:
 

 

Wikipédia
Em breve!
acervo e pesquisa - biografia de mulheres
detalhes

Elizabeth Calvet (1960 - 2001) - VOLUME 2

Século:

XX
Estado: RJ
Etnia/cor: Branca
Atividade: Ativista do movimento feminista e lésbico
Descrição:

Nasceu no Rio de Janeiro a 12 de maio de 1960. Filha de Danillo Calvet e Maria Madalena Calvet. Foi nas escolas públicas da cidade que fez o ensino fundamental e médio.
Iniciou curso de odontologia, mas freqüentou apenas dois períodos. Desejava outras incursões. Possuía o anseio de práticas, que possibilitasse a intervenção social. Foi com este espírito que no ano de 1987, juntamente com profissionais e psicólogos do Departamento do Sistema Penitenciário do Rio de Janeiro – DESIPE fundou o movimento de familiares e amigos dos/as presos(as). Logo após passa a fazer parte do Programa Integrado de Marginalidade – PIM, voltado para as populações em processo de marginalização; pessoas em prostituição, travestis, egressas(os) do sistema penal e população de rua. Foram surgindo outras necessidades e em parceria com os travestis que atuavam no PIM funda a ASTRAL- Associação de Travestis e Liberados e depois o projeto Acorda Egresso.
Sempre em busca de desafios e ciente das dificuldades vivenciadas por alguns grupos específicos, tais como, mulheres negras e lésbicas; interessa-se pelo movimento feminista e através da professora Vanda Ferreira, passa a militar no movimento negro.
Em dezembro de 1994 faz parte do grupo de seis mulheres que fundam o Centro de Documentação e Informação Coisa de Mulher- CEDOICOM e em 1995 com outras companheiras cria o Coletivo de Lésbicas do Rio de Janeiro - COLERJ. Nestas organizações teve oportunidade de desenvolver inúmeras ações em defesa dos direitos das mulheres. Atuou, especialmente, nas áreas de prevenção às DST/AIDS, em políticas públicas em prol das internas e egressas do Sistema Penal e em defesa dos direitos das mulheres lésbicas.
Participou de inúmeros encontros, debates, seminários nacionais e internacionais assim como ajudou organizar outros tantos. Foi à Hamburgo-Alemanha, onde participou de encontro de mulheres migrantes; em Berlim e Altona fez palestras sobre a situação das mulheres encarceradas. Na República Dominicana, onde esteve por duas vezes participou do Encontro Mulher e Democracia (Santo Domingo) e do Encontro Feminista da América Latina e do Caribe (Juan Dolio). Esteve também em Havana-Cuba e Madri fazendo contatos com mulheres de organizações afins.
Em reconhecimento ao seu valoroso trabalho, Elizabeth foi indicada pelo movimento social e ocupou a primeira vaga, como lésbica, no CEDIM. Recebeu Moção de Louvor e Reconhecimento em 2000, por iniciativa da vereadora Jurema Batista, da Câmara de Vereadores do Rio e os prêmios post mortem Felipa de Souza por International Gay and Lesbian Human Rights Comission e The Certificate of Recogniton for Califórnia State Assembly. Em sua homenagem o Coletivo de Lésbicas do Rio de Janeiro passou a ser chamado Coletivo de Lésbicas do Rio de Janeiro Elizabeth Calvet.
Beth faleceu em 10 de setembro de 2001, aos 41 anos, de causa desconhecida deixando um legado de luta e o ensinamento de que apenas a intervenção participativa será capaz de transformar a sociedade viável para todos os grupos sociais, independente de sua cor ou orientação sexual. (colaboração de Neusa das Dores)
 


COMENTÁRIOS

REDEH 2008 ©. Todos os direitos reservados.