Wikipédia Quem Somos Mulher 500 Publicações Parceiros Links Home Contato Home
  Nesta seção além de obter informações sobre as temáticas relacionadas ao papel da mulher na história do Brasil, você pode também nos ajudar a construir de maneira participativa e democrática o Dicionário Mulheres do Brasil - Volume II, através desta ferramenta.  
COLABORE
Login:
   
Senha:
   
Cadastre-se aqui
  Esqueci minha senha
 
Mini-biografias contidas no "Dicionário Mulheres do Brasil Volume I (publicado) e Volume II (a publicar).
 
Busca Alfabética
| A-C | D-G | H-L | M-P | Q-Z |
Busca Avançada
Nome:
Século:  
Estado:  
Etnia/Cor:  
Atividade:  
Palavra-chave  
Volume:   I II (Wiki)
 
  Guia de referência bibliográfica com a temática de gênero, etnico-raciais e direitos humanos.  
Busca
Palavra-chave:
   
Artigos, Dissertações e Teses.
Busca
Palavra-chave:
Tipos:
Nesta seção estamos disponibilizando cartazes produzidos pelo Movimento Feminista, Movimento de Mulheres, Ong's e Instituições públicas; que tratam de temáticas relacionadas a defesa dos Direitos Humanos das Mulheres.
Busca
Palavra-chave:
Categoria:
 

 

Wikipédia
Em breve!
acervo e pesquisa - biografia de mulheres
detalhes

Vanda Maria Menezes Barbosa (1960 - ) - VOLUME 2

Século:

XX
Estado: AL
Etnia/cor: Negra
Atividade: Líder negra e feminista e primeira Secretária da Mulher do Brasil
Descrição:

Vanda Menezes, como é conhecida, natural de Maceió foi a única mulher entre os cinco filhos de dona Maria Augusta Menezes Barbosa e Martiniano Barbosa dos Santos, filho de escravo alforriado. Vanda cursava a terceira série do então curso primário, quando por sugestão de sua professora de matemática Teresa Lima, sua mãe a matriculou no exame de admissão tendo ingressado no curso ginasial. Em 1978 entrou para a Faculdade de Psicologia e dois anos após, 1980, mediante concurso público assume o cargo de agente policial, permanecendo por oito anos atuando no Presídio Feminino da Capital alagoana. Nesse período, destaca-se por haver desenvolvido a política de discutir com as detentas, dentre outros, temas relativos à cidadania, direitos das mulheres e questões raciais. A acusação de racismo feita por uma das presas à diretora na época foi a gota d água para que fosse afastada, acusada de insuflar as presidiárias. Conseguiu, então, transferência para a Delegacia de menores onde atuou como psicóloga e participou da implantação do ECA – Estatuto da Criança e Adolescente.
Em 1979 participou da criação da Associação Cultural Zumbi, primeira entidade negra do estado de Alagoas. A paixão pelo feminismo teve início durante os quatro anos em que militou no Movimento negro, ocasião em que eleita Secretária da União Brasileira de Mulheres, leva para a entidade a primeira representação negra. Em 1984, atendendo solicitação de companheiras atuantes em outros segmentos, integra o grupo de mulheres que encabeçou a discussão sobre o Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Mulher (Cedim), atuando como conselheira e representante das mulheres negras, na segunda gestão iniciada em 1989.
No ano de 1992, Vanda participa da criação do Fórum de Entidades Autônomas de Mulheres de Alagoas que, em 1994, passa a representar junto à Articulação de Mulheres Brasileiras, responsável pelo acompanhamento do processo preparatório para a IV Conferência Mundial sobre a Mulher/Beijing 95.
Militante também na área sindical, sua atuação a encaminhou, em 1993, através de voto, ao cargo de vice-presidenta do Sindicato da Polícia Civil de Alagoas, entidade que assumiu, como presidenta por nove meses, no ano seguinte. Era um período turbulento e a greve da categoria, graças à habilidade de Vanda- primeira mulher negra a dirigir um sindicato da categoria no país-, e sua articulação com a polícia militar e federal, trouxe frutos positivos às reivindicações.
Convidada para coordenar o Primeiro Comitê de Saúde da Mulher, em 2000, da Secretaria Municipal de Saúde de Maceió, implantou o Paism no município que garantia a saúde da mulher, criança, adolescente, idosa, pré-natal e controle social através do Comitê de Mortalidade Materna. Na Presidência do Conselho Municipal da Condição Feminina, que assumiu em 2002, permaneceu apenas por seis meses, quando por convite do governador inaugura a Secretaria da Mulher do Estado de Alagoas, onde permaneceu até o fim do governo em dezembro de 2006.
Com atuação na área de políticas públicas para as mulheres, reconhecida nacionalmente, Vanda hoje é consultora especializada em relações étnico/raciais e de gênero, onde desenvolve capacitações em várias temáticas, especialmente para mulheres quilombolas, órgãos governamentais e lideranças políticas e dos movimentos de mulheres.
 

 


COMENTÁRIOS

REDEH 2008 ©. Todos os direitos reservados.