Wikipédia Quem Somos Mulher 500 Publicações Parceiros Links Home Contato Home
  Nesta seção além de obter informações sobre as temáticas relacionadas ao papel da mulher na história do Brasil, você pode também nos ajudar a construir de maneira participativa e democrática o Dicionário Mulheres do Brasil - Volume II, através desta ferramenta.  
COLABORE
Login:
   
Senha:
   
Cadastre-se aqui
  Esqueci minha senha
 
Mini-biografias contidas no "Dicionário Mulheres do Brasil Volume I (publicado) e Volume II (a publicar).
 
Busca Alfabética
| A-C | D-G | H-L | M-P | Q-Z |
Busca Avançada
Nome:
Século:  
Estado:  
Etnia/Cor:  
Atividade:  
Palavra-chave  
Volume:   I II (Wiki)
 
  Guia de referência bibliográfica com a temática de gênero, etnico-raciais e direitos humanos.  
Busca
Palavra-chave:
   
Artigos, Dissertações e Teses.
Busca
Palavra-chave:
Tipos:
Nesta seção estamos disponibilizando cartazes produzidos pelo Movimento Feminista, Movimento de Mulheres, Ong's e Instituições públicas; que tratam de temáticas relacionadas a defesa dos Direitos Humanos das Mulheres.
Busca
Palavra-chave:
Categoria:
 

 

Wikipédia
Em breve!
acervo e pesquisa - biografia de mulheres
detalhes

Selma do Coco ( 1935 - ) - VOLUME 2

Século:

XX
Estado: PE
Etnia/cor: Negra
Atividade: Cantadora de coco e tapioqueira
Descrição:

Selma do Coco - Selma Ferreira da Silva ( 1935 - )
Cantadora de coco e tapioqueira

Nascida em Vitória de Santo Antão (PE), Selma Ferreira da Silva, conhecida como Selma do Coco, travou contato com o coco de roda ainda na infância, através dos avós e dos pais, ocasião em que cantava junto aos adultos.
Foi em Mustardinha, periferia da cidade de Recife (PE), para onde se mudou aos 10 anos, que casou, teve 10 filhos e ficou viúva aos 30 anos. Então, como forma de sobrevivência da família se dedicou à venda de tapioca, no Alto da Sé, Varadouro e na Ribeira, localizados na cidade histórica de Olinda, para onde se mudou no final da década de 1950.
A concorrência, contudo, era grande e para enfrentá-la, Selma associou a tradicional receita da culinária nordestina ao som do coco de roda, como forma de atrair clientes e turistas. A idéia deu certo, ganhou adeptos, e o quintal de sua casa vivia lotado, tanto assim que, atendendo ao pedido dos frequentadores/as chegou mesmo a gravar artesanalmente, algumas fitas com as músicas que cantava.
A partir da década de 1980 sua fama começou a se espalhar e Selma do Coco, aos 64 anos, passou a realizar shows. Em 1996 foi um dos destaques do Festival Abril pro Rock, ampliando sua a legião de fãs. No carnaval de 1997 uma de suas músicas, A Rolinha, tornou-se hit do carnaval e deu a Selma sucesso nacional, sendo interpretada por diferentes cantores.
Além do Brasil, Selma que recebeu em 1999 o prêmio Sharp de Música, pelo disco Minha História, já se apresentou em diversos países da Europa, inclusive com o patrocínio do Ministério da Cultura. Na Alemanha, a Rainha do Coco foi tema de um doutorado que trata de cultura popular e atendendo a convite do Instituto Cultural de Berlim participou da gravação de Heróis da Noite, disco no qual aparece ao lado, entre outros, de cantores africanos. Não foi o único, contudo, pois Cultura Viva foi gravado e mixado também na Alemanha e destinado ao público apreciador de World Music.
Nos Estados Unidos marcou presença no Festival Lincoln Center em Nova Iorque, sendo a única brasileira a ter participado do Festival de Jazz de Nova Orleans. Dentre as inúmeras homenagens que recebeu no Brasil, destaca-se aquela prestada pela Universidade de Brasília, em 2002.

A imprensa estrangeira- The New York Times- grandes jornais brasileiros, programas de televisão e uma das principais revistas femininas do país registraram a trajetória dessa mulher negra e nordestina, que tem sido de enorme importância para preservação das tradições nordestinas e brasileiras pelos quatros cantos do mundo.

 


COMENTÁRIOS

REDEH 2008 ©. Todos os direitos reservados.