Wikipédia Quem Somos Mulher 500 Publicações Parceiros Links Home Contato Home
  Nesta seção além de obter informações sobre as temáticas relacionadas ao papel da mulher na história do Brasil, você pode também nos ajudar a construir de maneira participativa e democrática o Dicionário Mulheres do Brasil - Volume II, através desta ferramenta.  
COLABORE
Login:
   
Senha:
   
Cadastre-se aqui
  Esqueci minha senha
 
Mini-biografias contidas no "Dicionário Mulheres do Brasil Volume I (publicado) e Volume II (a publicar).
 
Busca Alfabética
| A-C | D-G | H-L | M-P | Q-Z |
Busca Avançada
Nome:
Século:  
Estado:  
Etnia/Cor:  
Atividade:  
Palavra-chave  
Volume:   I II (Wiki)
 
  Guia de referência bibliográfica com a temática de gênero, etnico-raciais e direitos humanos.  
Busca
Palavra-chave:
   
Artigos, Dissertações e Teses.
Busca
Palavra-chave:
Tipos:
Nesta seção estamos disponibilizando cartazes produzidos pelo Movimento Feminista, Movimento de Mulheres, Ong's e Instituições públicas; que tratam de temáticas relacionadas a defesa dos Direitos Humanos das Mulheres.
Busca
Palavra-chave:
Categoria:
 

 

Wikipédia
Em breve!
acervo e pesquisa - biografia de mulheres
detalhes

Dona Ritinha (1905 - ) - VOLUME 2

Século:

XX
Estado: ES
Etnia/cor: Negra
Atividade: Florista da Banda de Congo Folclórico São Benedito
Descrição:

Rita Maria da Penha (Dona Ritinha) – 1905

Florista da Banda de Congo Folclórico São Benedito

Rita Maria da Penha conhecida Dona Ritinha, aos noventa e nove anos (2004), mais de vinte netos, bisnetos e tataranetos, foi homenageada pela Associação das Bandas de Congo da Serra (ES).

Há seis décadas dona Ritinha é a florista da junta de bois que carrega o mastro nas comemorações de São Benedito, pelas ruas do município. As flores de flamboyant, em sua maioria colhidas no próprio quintal de casa, no bairro São Domingos, são suas preferidas para a ornamentação.

O gosto pela procissão veio da infância, vivida na roça, quando o pai alugava uma casa em uma comunidade próxima ao Rio Juá, para que toda a família pudesse acompanhar os festejos de São Benedito “bem de perto”.

Desde aquele dia em que, aos dezessete anos, observava no parapeito da janela o movimento de ornamentação e foi convidada por mestre José Rosa para ajudar não parou mais. Nem mesmo o casamento, aos 22 anos, a levou a mudar a rotina.

Dona Ritinha mora sozinha e apesar das dificuldades de audição e visão, todos os dias, às cinco da manhã, está de pé para tratar da vida, inclusive, costurando as próprias roupas. Se a saúde já não permite, como antes, sair atrás da procissão, não a levou a abandonar o vício do cachimbinho.

 

 


COMENTÁRIOS

REDEH 2008 ©. Todos os direitos reservados.