Wikipédia Quem Somos Mulher 500 Publicações Parceiros Links Home Contato Home
  Nesta seção além de obter informações sobre as temáticas relacionadas ao papel da mulher na história do Brasil, você pode também nos ajudar a construir de maneira participativa e democrática o Dicionário Mulheres do Brasil - Volume II, através desta ferramenta.  
COLABORE
Login:
   
Senha:
   
Cadastre-se aqui
  Esqueci minha senha
 
Mini-biografias contidas no "Dicionário Mulheres do Brasil Volume I (publicado) e Volume II (a publicar).
 
Busca Alfabética
| A-C | D-G | H-L | M-P | Q-Z |
Busca Avançada
Nome:
Século:  
Estado:  
Etnia/Cor:  
Atividade:  
Palavra-chave  
Volume:   I II (Wiki)
 
  Guia de referência bibliográfica com a temática de gênero, etnico-raciais e direitos humanos.  
Busca
Palavra-chave:
   
Artigos, Dissertações e Teses.
Busca
Palavra-chave:
Tipos:
Nesta seção estamos disponibilizando cartazes produzidos pelo Movimento Feminista, Movimento de Mulheres, Ong's e Instituições públicas; que tratam de temáticas relacionadas a defesa dos Direitos Humanos das Mulheres.
Busca
Palavra-chave:
Categoria:
 

 

Wikipédia
Em breve!
acervo e pesquisa - biografia de mulheres
detalhes

Henriqueta Adelaide Pinto (século XIX) - VOLUME 2

Século:

XIX
Estado: RJ
Etnia/cor: Branca
Atividade: Uma das pioneiras do século XIX a solicitar o divórcio.
Descrição:

Henriqueta Adelaide Pinto (século XIX)

Uma das pioneiras do século XIX a solicitar o divórcio.


Em 1865, cansada das muitas e constantes violências sofridas por parte do marido, Francisco, com quem havia se casado dezoito anos antes e tivera dez filhos, Henriqueta, em uma época em que as mulheres vivam em total opressão, encaminhou ao Juízo Eclesiástico um pedido de divórcio perpetuo.

 

Na ocasião esses pedidos eram analisados e julgados pelas autoridades religiosas. Após ouvir o relato de testemunhas, que confirmavam a infidelidade e os maus tratos impostos por Francisco, inclusive, aos filhos, o vigário da Diocese do Rio de Janeiro determinou que Henriqueta fosse encaminhada à casa de sua mãe, Claudina Constância das Neves Pinto, com todas as suas roupas, jóias de seu uso e uma escrava para atendê-la e o bebê que amamentava.

 

Dizendo-se arrependido, Francisco convenceu Henriqueta a retornar ao lar para, pouco tempo depois, colocá-la novamente na rua a pontapés. Dessa vez, além de agredi-la verbalmente na porta da casa da mãe, para onde voltara, Henriqueta foi acusada de ciumenta e de haver deixado o lar anteriormente sem razão.

 

Henriqueta permaneceu firme e defendeu-se apresentando, ainda, o local em Niterói onde o marido havia montado casa para outra mulher. Lutou também para reaver os filhos que, como era comum na ocasião, em ações de divórcio permaneciam sob a guarda dos pais.

 

Apesar de algumas conquistas no campo legal e equipamentos sociais, como as Deams os casos de violência doméstica ainda persistem no país com dados assustadores. Quanto às desavenças e separação entre casais estas saíram do julgo da Igreja Católica. Essa situação só se modificou mais de cem anos depois da luta de Henriqueta, com a Lei do Divorcio n.º 6515/77.

O documento de divórcio, localizado na Divisão de Manuscritos da Biblioteca Nacional, coleção Documentos Biográficos, chamou atenção, pois este tipo de documento normalmente é encontrado em arquivos eclesiásticos, como por exemplo, o Arquivo da Cúria Metropolitana do Rio de Janeiro.

 

 

 

 

 

  


COMENTÁRIOS

REDEH 2008 ©. Todos os direitos reservados.