Wikipédia Quem Somos Mulher 500 Publicações Parceiros Links
Home Contato Wikipédia
  Nesta seção além de obter informações sobre as temáticas relacionadas ao papel da mulher na história do Brasil, você pode também nos ajudar a construir de maneira participativa e democrática o Dicionário Mulheres do Brasil - Volume II, através desta ferramenta.  
COLABORE
Login:
   
Senha:
   
Cadastre-se aqui
  Esqueci minha senha
 
Mini-biografias contidas no "Dicionário Mulheres do Brasil Volume I (publicado) e Volume II (a publicar).
 
Busca Alfabética
| A-C | D-G | H-L | M-P | Q-Z |
Busca Avançada
Nome:
Século:  
Estado:  
Etnia/Cor:  
Atividade:  
Palavra-chave  
Volume:   I II (Wiki)
 
  Guia de referência bibliográfica com a temática de gênero, etnico-raciais e direitos humanos.  
Busca
Palavra-chave:
   
Artigos, Dissertações e Teses.
Busca
Palavra-chave:
Tipos:
Nesta seção estamos disponibilizando cartazes produzidos pelo Movimento Feminista, Movimento de Mulheres, Ong's e Instituições públicas; que tratam de temáticas relacionadas a defesa dos Direitos Humanos das Mulheres.
Busca
Palavra-chave:
Categoria:
 

 

Wikipédia
Indique o portal
CURIOSIDADES

08 de março - Dia Internacional da Mulher - Em agosto de 1910, se realizou, na cidade de Copenhagen, Dinamarca, a II Conferência Internacional das Mulheres Socialistas, num contexto onde a luta pelo reconhecimento da mulher enquanto trabalhadora e cidadã provocavam incômodos, ganhava novos contornos e, também maior visibilidade. O cenário era de profundas desigualdades: a maioria das mulheres não tinha direito ao voto, a jornada de trabalho das operárias ultrapassava 70 horas semanais e os salários eram desiguais para homens e mulheres no desempenho da mesma função. Foi nesse Congresso que Clara Zetkin e outras companheiras propuseram a criação do Dia Internacional da Mulher, a ser celebrado uma vez por ano em todos os países, conforme publicado, em agosto de 1910, no jornal A Igualdade, dirigido por Clara: As mulheres socialistas de todas as nações organizarão um Dia das Mulheres específico, cujo primeiro objetivo será promover o direito de voto das mulheres. É preciso discutir esta proposta, ligando-a a questão mais ampla das mulheres, numa perspectiva socialista. Embora haja controvérsia quanto às origens da escolha do dia 08 de março como o Dia Internacional da Mulher, durante anos propagou-se que a data foi escolhida para homenagear as 129 operárias mortas num incêndio, ocorrido em 08 de março de 1857, na cidade de Nova Iorque. Envolto em contradições e polêmicas reza a história que nesse dia centenas de operárias ocuparam a fábrica em que trabalhavam gritando palavras de ordem, reivindicando, redução na carga diária de trabalho, melhores condições de trabalho, etc. A manifestação foi reprimida com violência e a fábrica incendiada com as manifestantes no seu interior. Desde 1911, o Dia Internacional da Mulher, firmou-se como oportunidade dos movimentos feministas darem visibilidade as suas agendas, onde passaram a reivindicar a inserção das mulheres no mercado de trabalho, salários iguais, maior participação nas instâncias de decisão, combate a violência doméstica e sexual, defesa dos direitos sexuais e reprodutivos, dentre outros temas; com o propósito de ampliar a autonomia das mulheres e fazer valer seus direitos. Assim, como resposta à intensa mobilização de mulheres em várias partes do mundo somado à indicação de uma grande conferência internacional, realizada na Cidade do México, com a presença de delegações de diversos países, a Organização das Nações Unidas (ONU) instituiu o ano de 1975 como o Ano Internacional da Mulher. De forma crescente, nas últimas décadas, para além da mobilização dos movimentos de mulheres que habilidosamente aproveita essa data para reflexões e coletivamente denunciarem as desigualdades de classe, gênero e étnico-raciais, assim como, fortalecer a luta pela legalização do aborto, superar a violência contra as mulheres, brigar por maior participação política, igualdades salariais, lutar contra o racismo, etc., se tornou oportunisticamente, para outros, uma data comercial, festiva, que vai dos anúncios de cervejas, faixas em postos de gasolina a entrega de flores e bombons para as mulheres. Ainda assim, é uma data que simboliza a busca de igualdade social entre homens e mulheres e o respeito às diferenças.

Primeiro livro escrito por um brasileiro nato é de uma mulher:
Você sabia que o primeiro livro (ensaio), escrito por um brasileiro nato é de uma mulher? Teresa Margarida da Silva Orta, autora de “Aventuras de Diófanes”, publicou seu livro, em Portugal, no ano de 1752.
 

Primeira médica formada no Brasil:
A gaúcha Rita Lobato Velho Lopes (1861-1954), decidiu estudar medicina três anos depois que um decreto imperial permitiu o acesso das mulheres aos cursos superiores. Rita ingressou em 1885, na Escola de Medicina da Bahia. Formou-se, com distinção, no dia 10 de dezembro de 1887, defendendo a tese “O paralelo entre os métodos preconizados na operação cesariana”
 

Cora, coração, Coralina

Vocês sabiam que....

a escritora e poetisa Cora Coralina chamava-se Anna Lins dos Guimarães Peixoto Brêtas. Segundo ela, "teve medo de seus versos serem atribuídos a uma Ana mais bonita". Cora vem de coração e Coralina foi uma homenagem ao Rio Vermelho que via e ouvia de sua janela. Cora escreveu que a ponte sobre o Rio Vermelho: "de águas avolumadas, que correm, como sempre, cantando e pulando de pedra em pedra". Uma bela homenagem ao que servia como fonte de inspiração para seus poemas. 

Na cidade de Goiás, terra natal da poetisa, nasciam muitas Annas em homenagem a padroiera SantAnna. Por isso, Cora Coralina criou um pseudônimo para assinar seus lindos versos e não ser confundida com tantas outras. 

Fonte: Brasil almanaque de cultura popular, agosto de 2010. 

 "Segredo guardado a sete chaves"

 Vocês sabem o porquê desta expressão popular?

No Museu das Bandeiras há um baú, considerado uma relíquia. Parece que em torno desta peça é que foi cunhada a expressão "segredo guardado a sete chaves". Este baú possui sete fechaduras diferentes e pertenceu a uma mesma família, na qual cada membro possuía uma chave. Reza a lenda, ou não, que o baú só poderia ser aberto se os sete membros consentissem. Nele, eram guardados documentos, jóias e outros objetos de valor. A cidade de Goiás acredita que o relicário baú é que gerou a expressão, conhecida nacionalmente. Curioso não?   

 

Mês de Setembro: Calendário Político Feminista

06/09: Dia Internacional de Ação pela Igualdade da Mulher.

14/09: Dia Latino-Americano da Imagem da Mulher nos Meios de Comunicação.

15/09: Dia da Adoção da Declaração e Plataforma de Ação de Pequim.

23/09: Dia Internacional Contra a Exploração Sexual e o Tráfico de Mulheres e Crianças. 

28/09: Dia pela Descriminalização do Aborto na América e Caribe.

29/09: Dia da Aprovação da Lei que garante Cotas para Mulheres na Política.

Fonte: http://www.campanha16dias.org.br/Ed2007/CalendarioFeminista/index.asp

 Maria vai com as outras

Assim chamamos as pessoas sem opinião própria, influenciáveis.  Esta expressão tem uma origem antiga. A Rainha de Portugal D. Maria Francisca Isabel Josefa Antonia Gertrudes Rita Joana, entre 1777 e 1816, com a morte de seu marido D. Pedro II e de seu filho D. José, foi declarada demente. Saía todas as tardes com suas damas de companhia e as pessoas comentavam: "Lá vai D. Maria com as outras". 

 

Torre do Tombo é o local onde se guardam todos os documentos antigos. Está situada em Lisboa, junto à Cidade Universitária.

Sentença de 1587 - Trancoso, Portugal

Arquivo Nacional da Torre do Tombo

SENTENÇA PROFERIDA EM 1587 NO PROCESSO CONTRA O PRIOR DE TRANCOSO

(Autos arquivados na Torre do Tombo, armário 5, maço 7)

"Padre Francisco da Costa, prior de Trancoso, de idade de sessenta e dois anos, será degredado de suas ordens e arrastado pelas ruas públicas nos rabos dos cavalos, esquartejado o seu corpo e postos os quartos, cabeça e mãos em diferentes distritos, pelo crime que foi arguido e que ele mesmo não contrariou, sendo acusado de ter dormido com vinte e nove afilhadas e tendo delas noventa e sete filhas e trinta e sete filhos; de cinco irmãs teve dezoito filhas; de nove comadres trinta e oito filhos e dezoito filhas; de sete amas teve vinte e nove filhos e cinco filhas; de duas escravas teve vinte e um filhos e sete filhas; dormiu com uma tia, chamada Ana da Cunha, de quem teve três filhas. Total: duzentos e noventa e nove, sendo duzentos e catorze do sexo feminino e oitenta e cinco do sexo masculino, tendo concebido em cinquenta e três mulheres". Não satisfeito tal apetite, o malfadado prior, dormia ainda com um escravo adolescente de nome Joaquim Bento, que o acusou de abusar em seu vaso nefando noites seguidas quando não lá estavam as mulheres. Acusam-lhe ainda dois ajudantes de missa, infantes menores que lhe foram obrigados a servir de pecados orais, completos e nefandos, pelos quais se culpam em defeso de seus vasos intocados, apesar da malícia exigente do malfadado prior.

 

[agora vem o melhor:]

"El-Rei D. João II lhe perdoou a morte e o mandou pôr em liberdade aos dezessete dias do mês de Março de 1587, com o fundamento de ajudar a povoar aquela região da Beira Alta, tão despovoada ao tempo e, em proveito de sua real fazenda, o condena ao degredo em terras de Santa Cruz, para onde segue a viver na vila da Baía de Salvador como colaborador de povoamento português. El-rei ordena ainda guardar no Real Arquivo esta sentença, devassa e mais papéis que formaram o processo".

Eita País que começou errado.......
 

 
 
REDEH 2008 ©. Todos os direitos reservados.